Loneliness

Filmado e editado por Gabriel Franco.

Trilha de Sound Design por Jonas Lewis.

 

Anúncios

Eu sangro poesias baratas

 

Giovanni Andersen Garcia

Perder-se é o ato mais “natural” de nós humanos. Conter seu fluxo é nosso maior erro. Sei que meu corpo é fluido e que escorro pela vida, ocupando frestas, erosando a terra. As dúvidas são como jarras que aprisionam nosso fluir, alteram nossas margens. São barragens no nosso destino de homem. Quero não resistir a você. Meu peito está aberto. Vem ocupar-me com tua vida! Abandono os remos e deixo que o fluxo me conduza na tormenta do amor, cambiando dia e lua, noite e sol,  namorando a chuva e desenhando em minha memória seu rosto. Fecho os olhos e você está aqui. Quando olho para o sol que surge por trás das tímidas nuvens revelo-te meu sorriso no arco-íris que coroa o encontro de dois – sol e chuva juntos a fazer vida. Que venha mais… vida que me atravessa o corpo e rasga minha alma. Eu sangro poesias baratas.

Sem “bla”, sem “mas”, sem “se”.

Tu mastiga com a boca aberta,

é machista e egocêntrico.

Porém, nada me enerva

como os sentidos que tu nega.

                                                        [Não podemos ter trégua?]

Afirma que não tem paladar,

que a sociedade não é azeda.

E por falta de olfato                       [e de opção],

não cheira a corrupção.

                                                        [Mas e se me negarem o pão?]

Nada vê com clareza,

sem de outros a influência.

Sempre não. Não mudar,

não criticar, não testemunhar.

                                                         [E se minha família se machucar?]

 D’accord, d’accord!

Sem “bla”, sem “mas”, sem “se”.

Sei que uma surdez súbita te ataca

quando gritam as que chama de fraca.

                                                           [Tu não entende, não percebe.

                                                            E se me publicarem responsável?

                                                            Se apagarem meu nome, minha história?

                                                            Se me tratarem como escória?]

Então,

serás livre.

Livre.

                                                           [Livre.]

Por Janaína Bordignon

Manoel em doses homeopáticas

 

 

Aos blocos semânticos dar equilíbrio. Onde o abstrato entre, amarre com arame. Ao lado de um primal deixe um termo erudito. Aplique na aridez intumescências. Encoste um cago ao sublime. E no solene um pênis sujo.

Manoel de Barros

Eu sei, mas não devia

“Eu sei, mas não devia” de Marina Colasanti recitado por Antônio Abujamra no Provocações:

Eu sei que a gente se acostuma. Mas não devia.

A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E, porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E, porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E, porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E, à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão.

A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na hora. A tomar o café correndo porque está atrasado. A ler o jornal no ônibus porque não pode perder o tempo da viagem. A comer sanduíche porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia.

A gente se acostuma a esperar o dia inteiro e ouvir no telefone: hoje não posso ir. A sorrir para as pessoas sem receber um sorriso de volta. A ser ignorado quando precisava tanto ser visto.

A gente se acostuma a pagar por tudo o que deseja e o de que necessita. E a lutar para ganhar o dinheiro com que pagar. E a pagar mais do que as coisas valem. E a saber que cada vez pagar mais. E a procurar mais trabalho, para ganhar mais dinheiro, para ter com que pagar nas filas em que se cobra.

A gente se acostuma a andar na rua e ver cartazes. A abrir as revistas e ver anúncios. A ligar a televisão e assistir a comerciais. A ir ao cinema e engolir publicidade. A ser instigado, conduzido, desnorteado, lançado na infindável catarata dos produtos.

A gente se acostuma à poluição. Às salas fechadas de ar condicionado e cheiro de cigarro. À luz artificial de ligeiro tremor. Ao choque que os olhos levam na luz natural. Às bactérias da água potável.

A gente se acostuma a coisas demais, para não sofrer. Em doses pequenas, tentando não perceber, vai afastando uma dor aqui, um ressentimento ali, uma revolta acolá. Se a praia está contaminada, a gente molha só os pés e sua no resto do corpo. Se o cinema está cheio, a gente senta na primeira fila e torce um pouco o pescoço. Se o trabalho está duro, a gente se consola pensando no fim de semana. E se no fim de semana não há muito o que fazer a gente vai dormir cedo e ainda fica satisfeito porque tem sempre sono atrasado.

A gente se acostuma para não se ralar na aspereza, para preservar a pele. Se acostuma para evitar feridas, sangramentos, para poupar o peito. A gente se acostuma para poupar a vida. Que aos poucos se gasta, e que, gasta de tanto acostumar, se perde de si mesma.

Metade

 

Jonas Lewis

 

Tinha sono e não pude dormir.
A luta imensa de fechar os olhos e saber-me só.
Faltava a fatia da cama… um naco da vida.
Sobrava o sono restante… em migalhas.
Desequilibrado, faltando o vai e vem do teu peito a respirar,
E o sopro silencioso de nossos ventos fazendo a cantiga do sono.

Não pude dormir.
Faltava-me o deitar dos teus braços, a confusão macia dos teus cabelos.
Tinha sono e não pude dormir.
Lutei com metade de mim, metade da cama, metade da alma.
Não se dorme bem só com a metade.

No buraco da fechadura (pra Juliana)

Jonas Lewis

E quando somente são as buzinas? Quando são árduos os dias e as noites nem tem colorido? Deixa na alma o mundo uma espécie de sonho impensado, que ao berro do primeiro berro não almejamos conhecer. Somos cobertores quentes desabrochando devagar à imensidão iluminada, carentes e incapacitados de conhecimento. Podemos inundar a alma num choro instintivo, transbordando em verdade ilógica, pedindo o seio. E é o que resta. É o que vale. Não cabe-nos julgar o que virá o que deveras merecíamos.

Mas o dia apresenta-nos arpões, farpas hipócritas chamadas automóveis. A noite escorre suores indecentes por nossas coxas insaciáveis e somos pássaros de espécie desconhecida, caramujos com insônia que vagam pelas capitais e trabalham no campo. Desconhecemos gente, conhecemos chaves, fechaduras e senhas. Abrimos o peito aos cremes doloridos da saudade e mesmo assim não buscamos curá-la, feri-la com nossas unhas insossas de leão sem raça.

Alguém um dia bate em nossa janela, silencia as buzinas que atordoam o sono. Com algum pincel que traz escondido, esbarra cores aleatórias em nossas noites escuras. Berra conosco num falsete tão belo que faz acorde, e fechamos os olhos num beijo que desabrocha devagar. Inundamos a boca, e os lábios, aí sim, dessa vez fogem à lógica, numa infinitude longínqua chamada dança. São passos que descontrolam o tempo e é o que resta. É tudo que vale, outra vez, como crianças.

De novo a noite, mas o suor agora é suco de nossa alma. Reconhecemos a espécie e vagamos querendo ciência, reconhecendo gente, escancarando o peito e matando a saudade um do outro. Cravamos as unhas e entregamos nossas chaves, perdemos nossos bens e mostramos o mau que ainda nos resta. As cores aleatórias do quadro da noite tomam rosto de pintura. Arte ou não, exposta ou não, é nossa casinha com nossa árvore e nossa nuvem de algodão.

Lá fora ficam os carros, as casas frias de cimento e vigas, as nuvens de verdade, os caramujos, as coxas e as noites sem quadro, inóspitas suando frio. No buraco da fechadura, sobra o que deveria ter sobrado sempre: o amor.

Entradas Mais Antigas Anteriores